quarta-feira, 14 de maio de 2008


* Inteira *

Eu não estive esperando por um homem inteligente, companheiro, fiel, solidário, romântico a minha vida toda (até o dia em que apareceste).
Eu nunca fui uma dessas mocinhas bonitas bem bonitas que esperam pelo príncipe encantado por anos a fio.
Não me olharam na rua como se eu tivesse uma dessas belezas capazes de arrastar simples mortais por quarteirões inteiros. Eu sou a pessoa que carrega em suas bolsas coloridas poesias (para te ofertar ao final do expediente).
Fui conhecida como a menina engraçadinha e só. Eu tinha uma piada na ponta da língua e a utilizava no momento oportuno. Eles ririam, se lembrariam das minhas mechas afogueadas e deu.
Nunca fui adepta dos números, das fórmulas. Gostei sempre de citações de desconhecidos. Ou não tão desconhecidos assim.
Não me tornei tão íntima de alguém a ponto de doer o coração quando ocorresse a despedida. E por isso eu me desculpo. Apenas por isso. Não permiti que encontrassem minha alma serena inteiramente desprovida de proteções, carapaças.
Se me entrego a ti hoje é porque estou curada de todos os males que antes me atormentavam.
Minha alma está repleta de fendas por onde tu podes adentrar quando bem quiseres (e por favor, me queiras sempre).
Estou curada de uma vida "assim-assim" ocorrida antes de ti.
Atualmente estou livre das tonturas, dos enjôos, das feridas que provocaram em mim.
Cá estou, despida de pudores, castidades. Completa de felicidade, sonhos, projetos, persistência e coragem.
Estou inteira pra ti.

PS: Saudade (só pra variar um pouquinho).

2 comentários:

dani cabrera disse...

rs...
É incrível como vc sempre diz o que quero dizer!

:)

Teu amor disse...

Oi minha lindeza.

Que lindo este post. Tu sabes que acontece o mesmo comigo.
Hoje eu sou o que sou por causa de todo o teu amor, e de toda a confiança que depositas em mim.
Eu te amo mais do que tudo e tenho certeza que a nossa vida será sempre feliz. A gente se ama e se entende.
Um beijo!!!