sexta-feira, 3 de outubro de 2008


* Da vez em que soube que seríamos o oito deitado * ou ainda * Da eternidade*

Também não sei quando bem quando foi.
Não saberia analisar o momento exato em que eu soube que seríamos para sempre.
Deve ter sido numa dessas vezes em que é final de festa, todos estão um tanto bêbados com a cerveja meio quente e tu ainda estás saboreando a primeira latinha, já quase não ri das coisas que são ditas, envolve o braço esquerdo sobre mim e diz: "Mais vinte minutos e vamos embora". E eu fico esperançado projetando mentalmente que poderemos dormir cerca de sete horas em forma de "conchinha".
Ou pode ser aquele dia em que colocou no prato um grande pedaço de panetone e separou com a destreza de um cirurgião as frutas cristalizadas uma a uma, deixando no canto do prato e quando eu te perguntei o porquê dessa implicância tu falaste: "Prefiro as frutas vivas". Eu não entendi muito bem, mas me deu um sorriso e nesse momento tu já me ganhaste.
Ou vai ver que foi naquele sábado chuvoso, quando não queríamos por nada do mundo sairmos de casa. Só que daí eu disse: "Vontade de um expresso". E tu falaste: "E uma fatia de torta, com ovos moles. O que achas?". Eu ainda cogitei dizer que estava tentando cortar os doces, que queria diminuir os carboidratos, mas nesse meio tempo tu já estavas de pé, colocando o casaco azul turquesa e procurando o guarda-chuva prateado. E eu cedi aos teus encantos e a essa tua doçura incontrolável.
Também pode ser por tu seres linda no agosto (mês asqueroso), na entrada da primavera, no verão... e até no outono com as árvores todas nuas onde tu apenas consegue colorir os quarteirões inteiros.
Ou talvez seja por cada partida que me dói. Cada vez que o final do dia vem nos amedontrar e tu tens que ir pra tua casa e eu pra minha. E tu quase sempre falas como será bom quando morarmos no mesmo apartamento. E eu respondo que será incrível ter o mesmo endereço que tu.
Ou quando eu estou amuado porque a bolsa de valores fechou em queda, o Grêmio perdeu, não estudei o bastante e tu vens dizendo que tudo ficará bem. E faz a "dança do cachorrinho" só pra eu lembrar que os problemas são ínfimos quando encontramos a nossa metade.
Ou seja pela maneira como teus olhos verdes quase me cegam com delicadezas em dias nos quais nem eu mais acredito.
PS: Final de semana de comemorações. :D

5 comentários:

Babi disse...

Chorei...
Lindo o texto!
Que as comemorações sejam perfeitas! Parabéns!!!

Cris disse...

Naty, vc tem o dom de nos arrancar suspiros e deixar-nos de olhos marejados! Snif! ;')
E pensar que tudo isso é REAL!
Lindíssimo texto! Eu, como sempre, ADOREI!
Um ótimo fim de semana, querida!
Te adoro!

mi disse...

maravilhoso.

Carla P.S. disse...

Quase chorei.
E achei graça do comentário anterior.
Quanto sentimento... AMO!!!!!!!!!! Parabéns².

Estefanie Fernandes disse...

Ca-ra-ca!
Quando penso que já superou a delicadeza escrevendo, me surpreende com um texto desses.
Vou tomar como presente de aniversário, já que o meu está chegando =D

Beijo!
E ótimas comemorações \o/