sexta-feira, 7 de novembro de 2008

* Da série postagens antigas - parte XIV - texto do dia 13/11/2006.


* Dia 13 - parte II * (ou ainda *Sobre o amor eterno*)

O amor não tem hora.
Me disseram isso.
Me cantaram isso.
Fizeram até mesmo plágio disso.
O amor aparece numa esquina deserta,
numa tarde ensolarada,
num cemitério adormecido,
numa rua cheia,
numa formatura de Economia,
numa foto que te é apresentada,
num sorriso metálico.
O amor nos encontra em lugares improváveis.
Só sei que eu estava lá quando tu abriste a porta.
Tu falas nas borboletas que te consumiram e eu falo de um amor bonito assim que eu tive (quando ainda era menina) e que consumiu meu peito.
O amor naquele dia nos escolheu.
E eu chego a acreditar que já te conhecia antes.
Porque sei um pouco dos teus gostos,
das tuas vontades,
das tuas manias
(queridas manias como fazer um "quê" com as sobrancelhas quando quer um beijo).
Sei um pouco de ti.
Mas ainda quero saber muito mais.
(e que eu tenha bastante tempo pra isso).
Sofia e Caio.
Caio e Sofia serão felizes.
(e eu acredito que nós dois ainda mais).

3 comentários:

Layla disse...

Aaaahhh que lindoo !!!
Adoro seus textos ! Bom, falo isso em todos os comentários, mas é só pra você saber, e ter muita certeza, que escreve belamente e tem um dom que poucos tem: o de transformar cores, sons, sentimentos inexplicáveis em palavras.
Parabéns, bonita !

Samira disse...

texto lindoo xD~

Sara disse...

Lindo, lindo, lindo...
E sim, Caio e Sofia serão muitíssimo felizes... e lindos!
Beijos