sexta-feira, 11 de julho de 2008


* Daquilo que eu te falava... *


Amor,
eu sei que o tempo anda curto, mas ainda assim quando sobrar algum tempo, nem que seja um pouquinho dele nos teus dias gostaria que tu soubesses que estarei pensando em ti.
Nunca tive pressa para nada.
No reloginho no qual quase não sei ler as horas, os ponteiros sempre passaram letárgicos, arrastados. E eu até preferia que continuasse assim, entretanto não é o que acontece. Tenho tido pressa, muita pressa.
Quero casar hoje mesmo. Quero ter filhos no mais tardar em 2011 e acredito que seja oportuno lembrar que estamos em 2008. Quero tanto nossos filhos. E um apartamento para colocarmos as poucas coisas que já temos, nem que seja para empilhar todos os potes em preto e branco que já ganhamos da tua mãe sobre a mesa em formato de feijão que também nos foi presenteada.
Desde pequena venho sonhando com um casamento grandioso, alvo, que ocorreria vespertinamente num sábado. Eu teria imensas flores de cetim e brocados adornando o meu pescoço, nada de véu ou grinalda que acho pretensioso e demasiadamente brega.
Os nossos padrinhos vestiriam cada um uma cor conforme sua predileção, não gosto de impor regramentos às pessoas, logo se os padrinhos viessem munidos de seus sorriso mais bonitos eu ficaria satisfeita.
Eu poderia também desejar uma aliança de ouro branco com pequenas pedras de topázio que formariam um abstrato azul e ali eu juraria enxergar - " teu amor para sempre". Ou um "oito deitado".
As aias não espalhariam pétalas de flor quando eu entrasse finalmente na igreja (porque sinto te informar mais eu me atrasaria, não ao ponto de tornar maçante um dos momentos mais belos da minha vida, e sim para que lembrassem de mim com traços mais simétricos e bonitos do os que tenho realmente)...as aias ao contrário disso, soprariam bolinhas de sabão. Porque eu gosto daquele "ploft" que os pequenos sonhos condensados em circunferências perfumadas fazem quando se desmancham no ar.
Em vez de tulipas brancas, lisantros mesclados e claros eu gostaria que existissem na decoração vasos repletos de marshmallows retorcidos em branco e rosa. Para que ficasse um cheiro doce no ar, como aquele que sinto cada vez que estás perto.
Mas se nada disso for possível, eu me distraio com as descrições que povoam todos os sentimentos relacionados a ti e serei feliz.
Aliás, seremos os dois (e SOMOS) felizes.

Assinado: Sempre tua.

PS: Porque cada minuto longe de ti é tristinho. ; )

3 comentários:

Estefanie Fernandes Simões disse...

Acho que mesmo se não tivesse nada disso, o casamento de vocês seria lindo!

E felicidades, desde já!

Fernanda disse...

Que delícia, tão romântico! ^^
Gostei muito da idéia dos marshmallows e das bolinhas de sabão.Ah, bolinhas de sabão!
Muito, muito bem escrito!

Beijão!

Teu amor disse...

Cada "minuto perdido" distante agora, se triplicará de união no futuro. TE AMO MINHA VIDA!