terça-feira, 1 de abril de 2008


* Das horinhas ao teu lado *

Nem sei bem quando começamos a fazer parte um do outro.
Enxergo quase sempre as pontas dos meus dedos ligadas às pontas dos teus dedos, como se o amor fosse capaz de criar um elo que nos unisse, uma espécie de filamento. Só sei que nas minhas pontas encontro as tuas pontas.
É como se eu te conhecesse desde sempre.
Sei de todas tuas histórias, tuas desventuras, teus arrependimentos, tuas tristezas, teus desabafos. E tu sabes dos meus.
Como se no primeiro dia de nossas vidas já fôssemos apresentados.
E sei (tornando a dizer) que contigo é pra sempre e sempre.
Pra sempre no sentimento.
E sempre...
para limpar a sujeira espalhada.
Para pintar o cabelo com mechas coloridas (vermelho e dourado nunca combinaram tanto),
para ilustrar grandes borboletas aladas na parede rosa,
para dançar ao som de "Por onde andei". O Nando deve ter feito essa canção pra nós dois.
Para tirar o pó da casa,
para fazer academia e notarmos que sim, estamos ficando um pouco velhos.
E sempre também para sonhar com nossos filhos,
com nossos planos,
com a cozinha americana,
com os finais de semana na praia,
com o aparelho de jantar sobre a mesa em formato de feijão,
para chorar um pouquinho quando algumas coisas demoram,
(mas para nunca deixar de acreditar).
Ainda sempre para saber, com certeza, que tu és a minha alma gêmea.
PS: Obrigada por me acompanhar.

2 comentários:

Germana disse...

Muito lindo seus textos, inspiradores!!Parabéns!bjs

Teu amor disse...

E te agradeço tb, meu amor, por sempre me acompanhares. Quando eu digo que és a pessoa mais legal e compreensiva que eu conheço não estou mentindo :)
TE AMO!