terça-feira, 5 de maio de 2009


* Ainda sobre a primeira vez *

(Destino?)
Ficou receoso de vislumbrar novamente ela.
Sentia-se nu. Entendam bem, apesar de estar trajado de bons pensamentos, delicadeza, coragem, as borboletas todas transbordadas pelo estômago, amor, estava nu.
Quis agarrar a mão dela e dizer:
- Tirei o limo do peito, as teias, o pó e o amargor do coração. Tudo para te receber.
Mas não quis interrompê-la naquele instante. Naquela hora em que ela adentrava o salão. Vestia uma saia de pequeninas pregas na cor escarlate, uma blusa preta que brilhava um pouco, só um pouco perto do brilho que ela própria emanava. Ela era ainda mais bonita do que ele lembrava. Nem seus sonhos desejosos com Audrey, Deborah Kerr eram tão repletos de beleza, ardor.
Sentiu as maçãs do rosto inflamarem quando a viu entrando pela porta principal do salão. Confessa que sim, morreu um tanto quando observou que ela não estava desacompanhada, entretanto também aliviado afinal era um cara bacana, charmoso e bem mais interessante que aquele nanico que tentava frustradamente furtar a sua história de amor.
Tinha planejado mentalmente, repetidas vezes, como chegaria até ela.
Primeiro a convidaria para dançar aquela canção conhecida.
Beijaria a mão dela em agradecimento e demoraria um pouco os lábios sobre as pontas dos dedos de pianista dela.
No final da música agradeceria por ter ela aceitado o convite e a pediria em casamento. Aguardaria ansioso pelo "sim" mais sonoro, harmonioso que já ouvira no mundo.
No entanto não parecia aquele momento a melhor hora para tal gracejo.
Ela, mal sabia ele, já tentava descobir quem era o dono daquele casaco risca de giz, daqueles olhos castanhos incomuns, doces.
Quando apresentados, o senhor que lhes aproximou (talvez um desses cupidos que andam por aí disfarçados de gente procurando unir almas desencontradas) disse:
- Nando, te lembras da Rafaela?
Nando afirmou com a cabeça que sim, deu-lhe um beijo na face esquerda deixando a bochecha direita para que ela beijasse. Rafaela deixou um estalinho de gloss no rosto de Nando e concluiu:
- Pena que minha memória não seja tão boa.
Ele então aproveitando a deixa, completou:
- Não te preocupas, ainda tenho a eternidade inteira para te fazer lembrar de mim.
(Destino!!!)

PS: O principal legado que deixarei para Caio e Sofia é esse: O verdadeiro amor existe.

4 comentários:

Lela disse...

Ah!! Muito bom ler essas doces palavras...

MAs, Natália, quando li o teu PS de hoje: "O principal legado que deixarei para Caio e Sofia é esse: O verdadeiro amor existe" as borboletas tomaram conta do MEU estômago e eu me arrepiei toda. LINDO!!

Bia disse...

Que lindeza, Natália,
suspirante estou.

Sim, Caio e Sofia,
saberão.
Você tem uma missão muito linda, Natália, afirmar através do seu lirismo, que o amor existe. Isso é uma graça divina.
Abençoada, és!

Um beijo,
da Be

Anônimo disse...

É... que las hay, las hay! Pero sì, con untedes jo creo!
Besos amores

Teu Amor disse...

Sim, amor. Existe e é o nosso.
Nosso mundo e nosso amor são perfeitos.
Eu tenho a pessoa mais maravilhosa do mundo ao meu lado. E eu sei que é sim, pra sempre.
Beijos!!! TE AMO!