terça-feira, 26 de maio de 2009


* Do último tango solitário *

Ele estava amando pela primeira vez e sentia-se extremamente ansioso por viver algo tão inesperado assim.
Queria avisar aos seus amigos as boas novas e até mesmo aos poucos inimigos que havia encontrado a mulher de sua vida com muita sorte nessa vida.
Caminhou por ruas melancólicas numa Porto Alegre que agora tinha um perfume absurdo de jasmim. Isso mesmo, aquela que roubara seu músculo escarlate tinha um inexplicável poder de transformar tudo o que era feio, insosso, triste, ríspido em beleza.
Chegando na feira comprou quatrocentos gramas de amoras, creme de leite fresco e três girassóis dourados.
Quando iniciou aquela semana amando-a pode observar a cidade, encontrando nela finalmente um pulsar sonoro onde poderia ficar bem com sonhos futuros.
E quase nem se deu conta quando sozinho no meio da rua e de uma multidão cinzenta dançou com as sacolas e flores nas mãos um "tanguinho" imaginário.
Poderia faltar um baile,
uma veste mais adequada,
uma canção para preencher o silêncio,
mas havia aquele grande amor dele
(que era só por ELA).

PS: Queridos... adicionarei os links no final de semana.
PSII: E viva o amor!!!

5 comentários:

Estefanie Fernandes disse...

Vivaaa!! =D

Janaína S. disse...

E pode faltar o que for, com amor tá completo.

Lindo, lindo!

LAIS GIUSTI disse...

sem palavras!!!

PARABÉNS!

Sara disse...

Saudades de comentar por aqui...
O amor é sempre belo. :)
E tus o escreves de uma forma belíssima, querida Natália!
Beijos... :)

Teu mori disse...

Tu és a pessoa mais linda deste mundo, e eu tenho muito orgulho de te ter ao meu lado.
TE AMO!!!