segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Da série postagens antigas - parte XXXV - texto do dia 02/03/2007.

* Esta poderia ser a sua vida *
(ou ainda *Para você que me inspira*)

Era uma vez uma moça loirinha com o cabelo escorrido e brilhoso, que tinha uma franja caída nos olhos, uma voz bonita e vários sonhos que nasceu numa cidade quase grande quase pequena.
Essa menina nunca foi quietinha. Aliás, ela detestava quaisquer diminutivos.
"Pequenina, engraçadinha, malvadinha, lindinha" eram palavras que davam até um nó na boca do seu estômago.
Ela morava numa casa que tinha um pátio comprido e verde.
E ali ela arquitetava seus grandes planos pra vida futura.
Gostava de sentar na grama fofa, comer "figada" e pensar nas grandes possibilidades.
Andava de bicicleta muitíssimo bem, muito melhor que as outras meninas da rua. Muito melhor que seus irmãos. Era tão veloz que parecia vento e nesse momento é que ela conhecia a tal face da liberdade.
A mãe chamava os filhos para jantar e lá ia a menina loira com uma cara amarrada... a mãe adorava estragar as brincadeiras. Mães são assim, não entendem as vontades das crianças. Mas ela sempre permanecia um pouco mais após a chamada e no segundo sinal da mãe saía correndo tanto que chegava a sentir dor nos dois joelhos.
Aprendeu a ler antes das outras crianças.
Quase que sozinha.
Não se deram conta disso e um dia ela escreveu seu sobrenome "meioalemãoitalianopolonês" como todos os moradores do interior gaúcho e o pai veio correndo dizer: "Mas é tão espertinha". Nó no estômago.
Queria ser atriz, bombeira, professora em faculdade, programadora de sistema... poderia ser mil e uma coisas. Mas principalmente seria feliz.
Gostava de matemática.
Se dava bem com os números.
Mas gostava de gente também e se dava bem com palavras, sentimentos, frases melancólicas, sabia bem o Português.
Um dia ela cresceu.
E se sentiu diferente das outras pessoas.
Ela já não tinha mais lugar.
Seu cabelo não era tão mais liso assim.
Ou até era.
Mas não escorrido.
Poderia usar uma presilha para que os fios loiros não atrapalhassem na digitação.
Procurou alguns relacionamentos por talvez assim se achar a sua metade. Alguém para segurar as suas mãos e também acreditar.
Se desiludiu na maioria das vezes.
Casou, mas descasou.
Não dá pra se viver pra sempre em Joinville.
Porto Alegre dá saudade.
Casou pela segunda vez, mas também descasou.
Não dá pra ser vigiado constantemente pelo jeito que se toma café e é criticada por isso.
Muita coisa depois aconteceu com a menina.
A sua vida bem que poderia ser um belo roteiro.
Quem sabe eu ainda escreve a sua história.
A verdade é que a trajetória dela não acaba assim.
Depois de todas as poucas e boas pelas quais atravessou foi numa formatura de economia. Queria sorrir um pouco. Sentia-se completamente cansada... mas foi. "Prestigiar uma amiga vale mais que o meu cansaço" ainda pensou.
E logo que adentrou o salão viu de costas o cara da sua vida.
Assim, ele não era bem "O" cara.
Mas era até bonito pela maneira que ela o enxergava. E o que mais posso dizer?
A menina loira ainda não casou, mas pela primeira vez está pensando em ser feliz para sempre.
(Ah sim e o moço ruivo também).

PS: Porque certas vidas quando se encontram(como a minha e a tua) dão um belo romance, um bonito enredo pro carnaval da Portela.

7 comentários:

Anônimo disse...

Jamais li algum texto que eu me visse nele por inteiro. Sei que essa é a história do moço ruivo e da mocinha loira. Mas dá vontade de roubar cada palavra pra mim...

Beijos Natália, tu és inexplicável!

Estefanie Fernandes disse...

Realmente, dá um belo samba de final feliz.
Parabéns pra vocês *-*

Lela disse...

Natália, querida!!

Saudade...

Como sempre, sonho acordada com suas palavras.
Se o amor aconteceu pra vc e pra sua felicidade, espero que também aconteça pra mim. Meu príncipe miúdo está adormecido.

Nunca vi vermelho com amarelo combinarem tanto.

Sorrisos pra sempre...

Lua·٠•● disse...

Menina, li seu blog toooodoo, e sinceramente não sei o que dizer... você escreve de forma inexplicável, é perfeita...

E somos tão parecidas... Vivemos um sentimento lindo e acredito eu que com amesma intensidade, porque você conseguiu traduzir, em tantos textos, tudo aquilo que vivo, que sinto, que desejo, e que tenho ao lado do meu amor, de uma forma pura, gostosa, viva e tão sincera, tão gostosa que achei que nunca fosse capaz de encontrar "traduções" para esse sentimento...

Adorei a forma como você escreve, descreve e sente o amor. Parabéns, é tudo muito perfeito. E obrigada por dividir esse talento com as pessoas. Te desejo toda felicidade do mundo e que realmente você via sempre esse sentimento tão lindo que vivo também e que vi descrito em tantos textos lindos em seu blog.
Você é uma abençoada.
Seja feliz.

E está convidada a conhecer meu blog. Para mim será uma honra receber sua visita.

Um beijo, Lua.

http://blogdalua-na.blogspot.com

Fern. disse...

Agora quero um samba-enredo desse amor! =D

Xuxu, deixei um meme pra você lá no Espelho!;)

Beijos!

mariana disse...

comecei a ver seu nome em comunidades do orkut, em frases suas. resolvi procurar mais. Estou impressionada com seus textos, suas historias, como vc escreve. Deve ouvir sempre isso..mas.. parabensss mesmo! adorei!

mariana disse...

tem planos de lancar um livro?
Gostaria tanto de ler isso nas folhas de papel! me reponda se possivel. quero ler tudo!
marianasodre1234@hotmail.com